Suprema Corte do Texas decide a favor de juíza cristã por não oficializar casamentos gays

  • 01/07/2024
Suprema Corte do Texas decide a favor de juíza cristã por não oficializar casamentos gays
Suprema Corte do Texas decide a favor de juíza cristã por não oficializar casamentos gays (Foto: Reprodução)

Na sexta-feira (28), a Suprema Corte do Texas decidiu a favor de Dianne Hensley, uma juíza de paz em Waco que havia sido repreendida por se recusar a realizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

A decisão reabre seu processo contra a Comissão Estadual de Conduta Judicial.

A comissão já havia emitido uma advertência pública a Hensley por sua recusa em celebrar casamentos gay, alegando que sua atitude violava a imparcialidade judicial com base na orientação sexual.

Em uma decisão de 8 a 1, o tribunal concluiu que a escolha de Hensley de não apelar da advertência da comissão a um Tribunal Especial de Revisão antes de entrar com uma ação em um tribunal civil não impede que ela prossiga com seu processo.

"Consideramos que, além de um pedido declaratório contra a Comissão, a ação da requerente não é impedida por sua decisão de não apelar da Advertência Pública da Comissão ou pela imunidade soberana", diz a decisão majoritária, escrita pelo Presidente do Supremo Tribunal Nathan Hecht.

“Assim, afirmamos a parte da sentença do tribunal de apelações que indeferiu o único pedido declaratório por incompetência, revertemos o restante da sentença e devolvemos ao tribunal de apelações para resolver as questões restantes na apelação.”

Representada por advogados da Mitchell Law LLP e do First Liberty Institute, Hensley argumenta que sua recusa em oficiar casamentos entre pessoas do mesmo sexo é protegida pelo Texas Religious Freedom Restoration Act e é um exercício de suas crenças religiosas.

A juíza afirma que sua recusa não compromete sua capacidade de desempenhar suas funções judiciais de forma imparcial.

Busca de alternativas

Hensley foi eleita juíza de paz pela primeira vez no condado de McLennan em 2014 e reeleita duas vezes desde então.

Após a decisão da Suprema Corte dos EUA em 2015, que tornou o casamento entre pessoas do mesmo sexo um direito nacional, Hensley “investiu muito tempo e recursos para compilar uma lista de referência de oficiais de casamento locais alternativos”, garantindo que os moradores do condado de McLennan pudessem ter acesso a cerimônias de casamento de baixo custo, conforme relatado pelo Instituto First Liberty.

A lista incluía pelo menos uma opção a uma curta distância de seu escritório, que cobrava o mesmo valor que Hensley e podia realizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo no mesmo prazo.

“Ninguém se queixou a Hensley, ao seu pessoal ou à Comissão sobre o seu sistema de referência de casamento ou a sua capacidade de ser justa – ou mesmo a sua aparência de justiça – em qualquer processo judicial”, afirma a decisão.

"No entanto, a Comissão tomou conhecimento do seu sistema através de uma entrevista que deu a um jornal e abriu uma investigação preliminar em maio de 2018."

Em janeiro de 2019, após ser interrogada pela comissão, Hensley recebeu uma advertência pública. A comissão concluiu que ela violou um estatuto relacionado à conduta no desempenho de funções judiciais e outro estatuto que regula a conduta extrajudicial de um juiz.

Apesar da advertência, Hensley manteve sua prática e processou a comissão, buscando uma ordem judicial para impedir futuras sanções.

‘Não é preconceito’

A decisão majoritária do tribunal enfatizou que, embora os juízes devam seguir a lei de maneira imparcial, eles não são obrigados a oficiar casamentos como parte de seus deveres judiciais.

O veredito esclareceu ainda que o ato de Hensley de encaminhar casais do mesmo sexo a outros oficiantes não implica necessariamente parcialidade ou preconceito.

O juiz Jimmy Blacklock, acompanhado pelo juiz John Devine em uma opinião concordante, argumentou que as ações da comissão contra Hensley constituíam discriminação religiosa ilegal. Segundo os magistrados, recusar educadamente participar de um casamento entre pessoas do mesmo sexo por razões religiosas não demonstra uma incapacidade de julgar imparcialmente.

"Ao se esforçar para tomar partido em um controverso debate moral e político sobre os conflitos entre o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo criado pela [decisão] Obergefell [da Suprema Corte dos EUA em 2015] e os direitos dos dissidentes religiosos há muito consagrados em nossa fundação documentos – um debate em curso que o próprio Obergefell reconheceu que continuaria – a Comissão fez muito mais, aos olhos de muitos texanos, para minar a confiança do público no poder judicial do Texas do que um único juiz de paz em Waco jamais poderia”.

‘Vitória da liberdade religiosa’

O First Liberty Institute celebrou a decisão como uma vitória para a liberdade religiosa.

Hiram Sasser, conselheiro geral executivo, afirmou que a conduta de Hensley deveria servir como modelo para os funcionários públicos, demonstrando como equilibrar convicções religiosas pessoais com seus deveres.

"A maneira da juíza Hensley de reconciliar suas crenças religiosas enquanto atende às necessidades de sua comunidade não é apenas legal, mas deve servir de modelo para autoridades públicas em todo o Texas", disse Sasser.

"Esta é uma grande vitória para a juíza Hensley e renova sua oportunidade de buscar justiça sob as proteções de liberdade religiosa da lei."

Hensley manifestou gratidão pela decisão do tribunal, que lhe permite continuar defendendo a liberdade religiosa e o Estado de direito.

A decisão da Suprema Corte do Texas devolveu o caso aos tribunais inferiores para tratar das questões restantes em recurso.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/noticias/suprema-corte-do-texas-decide-favor-de-juiza-crista-por-nao-oficializar-casamentos-gays.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Anunciantes